Início. E porque criar um blog sobre liberdade.

Não é de hoje que tento criar um blog. Já criei vários antes e deletei várias do mesmo modo. Sempre gostei da ideia de escrever sobre o que penso, mas algo sempre me faltava. Não queria criar um blog para ser mais um, com as mesmas intenções das milhares de pessoas que querem escrever sobre tudo e dar sua opinião sobre o que houver, mesmo que não se aprofunde em nada. Descobri que o que eu procurava era uma ideia. Mais do que isso: eu procurava uma ideia para defender.

Não que falte pessoas que defenda meu ideário. Sou liberal. Não é mais tão difícil achar quem defenda hoje em dia essa posição ideológica no Brasil, o que é menos desesperador. Antes talvez me sentisse como Will Smith em Eu Sou a Lenda. É desolador você perceber que todo um pensamento politico e econômico era marginalizado por causa de um preconceito acadêmico. O liberalismo não é fácil de se defender. Exige um conhecimento grande o suficiente para assustar quem só leu 2 ou 3 livros e incomoda quem acha que o mal do mundo é o capetalismo. Por isso mesmo que sempre achei que eu precisava de preparo GRANDE para me aventurar em escrever sobre a liberdade. Não é uma tarefe simples.

Contudo, não quero escrever mais um blog sobre liberalismo em si, economia de mercado ou sobre as questões comumente em voga no debate político. Politica em sua maior parte é frustrante. É o crack intelectual. Você é encoberto pelo pior dos pessimismos ao mesmo tempo que sempre procura o mais próximo oponente ideológico para entrar na porrada. O que quero falar é sobre o que geralmente é ignorado pelos liberais em sua maior parte: a cultura. É realmente muito difícil aceitar que estamos perdendo mesmo sabendo que dominamos o debate econômico.  Acontece que não se convence as pessoas com modelos econômicos ou com puro racionalismo. É preciso mais. É preciso mostrar que o homem é mais importante que os homens. É preciso mostrar que ter responsabilidade é liberdade.  É preciso entender que o vilão não é quem faz, mas sim quem quer controlar. É preciso que o heroi seja aquele que conquista, não o que ganha. É preciso tocar da maneira mais singela o coração e imaginação das pessoas e despertar lá no fundo que ser livre é ter a liberdade para se prender a uma paixão. É de tal necessidade que o liberalismo tenha uma hollywood,  um Gabriel Garcia Marquês, um Jean-Luc Goddard ou um Rage Against The Machine.

Não sou artista e não tenho a intenção de ser. Quero apenas tentar incutir e procurar o liberalismo cultural na nossa sociedade. Não tentar entender a origem da civilização ocidental, mas analisar pequenos elementos que podem possuir valores liberais no seu íntimo, que poucos conseguem perceber. Tentar ver na cultura pop, cult, mainstream, erudita, tudo que possa contribuir para a causa da liberdade. Quero despertar uma esperança talvez até para mim mesmo, porque só acredito que possa haver mudança de baixo para cima, nunca de forma imposta. A ideia talvez não seja tão clara assim. Mas está arquitetada. Só será possível realmente ver a real intenção do blog quando se pôr em prática. E isso vai exigir meu máximo como individuo, liberal, escritor e amante do cinema, literatura e música.